Procurar

A pensar mudar a forma como gere a sua empresa? Estas 3 tendências podem ajudar!

A pensar mudar a forma como gere a sua empresa? Estas 3 tendências podem ajudar!

Ultimamente, tem-se falado muito sobre Inteligência Artificial e sobre a forma como esta se prepara para mudar a forma como quase todos os empresários gerem e fazem crescer a sua empresa. E isso já está a acontecer. A recente introdução do ChatGPT aumentou a curiosidade sobre a IA e despertou o interesse sobre a melhor forma de aproveitar a ferramenta nas operações comerciais quotidianas. É, de facto, algo bastante impressionante. Até grandes empresas, como a Google e a Microsoft, estão a adicionar a tecnologia às suas plataformas e motores de busca.

Embora se espere que a IA tenha um impacto rápido em quase tudo o que vemos, não é o único fator que transforma a forma como fazemos negócios no mundo pós-pandémico.

  1. A esperada ascensão do e-Commerce

Se tem uma empresa que não está envolvida no comércio eletrónico, talvez seja a altura certa para passar a estar.

O comércio eletrónico cresceu muito durante a pandemia. Embora as vendas tenham certamente estabilizado um pouco desde essa altura, a indústria global continua a aumentar mais de 20% em comparação com os níveis pré-pandémicos e espera-se que cresça para mais de 8 biliões de dólares nos próximos três anos.

Para incluir o comércio eletrónico numa estratégia empresarial, é necessário começar por avaliar o fluxo de caixa, os recursos disponíveis, as opções de fabrico e a dinâmica de envio de encomendas.

Em seguida, a criação de uma estratégia de vendas que alinhe o produto ou serviço com as exigências do mercado. Estabelecer uma presença online nos sítios que os clientes frequentam. Considerar campanhas de engagement de baixo custo e alto rendimento nas redes sociais.

Se a empresa já vende produtos e serviços online, mas pretende aumentar as vendas, pense em investir em soluções de software avançadas. Existem muitas soluções ótimas por onde escolher.

2. O aparecimento da contratação silenciosa

O setor do emprego tem sido incrivelmente volátil nos últimos anos. A dinâmica do trabalho a partir de casa, a Great Resignation e o Quiet Quitting tornaram a contratação e a retenção de funcionários um pesadelo para muitas organizações.

Agora, os proprietários de empresas e os departamentos de RH estão a começar a recuperar algum controlo, implementando aquilo a que se chama uma estratégia de contratação silenciosa. A contratação silenciosa retira o foco da aquisição de funcionários e, em vez disso, enfatiza a mobilidade interna de talentos.

Espera-se que a contratação silenciosa se instale realmente no próximo ano, à medida que as empresas criam formas de envolver, apoiar e elevar as suas equipas atuais para atingir os objetivos operacionais. Ao implementar programas de mentoria, iniciativas de desenvolvimento de liderança e outras oportunidades de crescimento de carreira nas suas organizações, as empresas ganham a lealdade dos funcionários e deixam de ser prejudicadas por uma mão de obra pouco entusiasta.

A contratação silenciosa também pode ter um impacto dramático na criação de uma cultura empresarial positiva. É, de facto, uma situação em que todos ganham, tanto os empregados como os gestores de empresas.

3. A autenticidade como cartão de visita

A pandemia foi muito pesada para os gestores de empresas em muitos aspetos, mas um aspeto positivo emergiu dos desafios: um maior valor atribuído à importância da autenticidade da marca.

A autenticidade da marca significa essencialmente o grau em que uma empresa é fiel a si própria e aos seus clientes. Trata-se de integridade, empenho e honestidade. A autenticidade da marca pode parecer uma abordagem simples, quase óbvia, mas é chocantemente inexistente em muitas empresas atualmente. E, daqui para a frente, isso pode ser um fator de rutura para uma grande parte dos clientes, especialmente para as gerações Zee e Millennials, socialmente conscientes.

É importante sublinhar a autenticidade da marca na sua empresa, sendo claro e direto nas comunicações com os seus clientes, investidores e outras partes interessadas importantes. Cumprir sempre os compromissos formais (pense em “A nossa promessa aos nossos clientes”) e informais que assume. Criar uma linha de comunicação aberta e cativante nos canais das redes sociais e nas interações com o serviço de apoio ao cliente.

A autenticidade da marca tem a ver com responsabilidade. Trata-se de dizer o que se quer dizer e de dar sentido ao que se diz. Ao adotar a autenticidade, os gestores e as suas empresas estão muito melhor posicionados para crescer e manter uma base de clientes fiéis nos próximos anos.


Quer saber mais sobre a The Alternative Board e como podemos ajudar a gerir melhor o seu negócio? Torne-se membro! Clique Aqui
!

Posts Relacionados

Pesquisa

Posts mais Recentes

Categorias

Partilhar

Enviar Mensagem